home :| Sétima Arte |: a história do cinema, década por década, ano a ano


História do Cinema: 1970-1979

O Blockbuster

Fila de espectádores num cinema em Nova Iorque para assistirem ao filme "Tubarão"

Fila de espectádores num cinema em Nova Iorque para assistirem ao filme "Tubarão"

A década de 70 foi palco de um conjunto de acontecimentos que alteraram o panorama da indústria cinematográfica norte-americana e, consequentemente, do resto do mundo. Após 25 anos de declínio económico, os anos entre 69 e 71 revelaram-se o fundo de uma crise que alterou por completo a industria. Exemplo dessa crise é o facto da Metro-Goldwyn-Mayer, um dos símbolos da sétima arte, se ter visto obrigada, em 1970, a leiloar o guarda-roupa e adereços das suas mais famosas produções para angariar dinheiro. Muito embora os novos géneros cinematográficos, Hollywood demonstrava, no início desta década, uma incapacidade de atrair o público mais jovem às salas de cinema e isso revelava-se no decrescente número de espectadores.

A salvação da indústria esteve numa nova geração de realizadores, que cresceram a ver os filmes de Hollywood e num tempo de transformação social e, assim, transformaram alguns géneros cinematográficos. Realizadores como Martin Scorsese, George Lucas, Brian de Palma, Francis Ford Coppola e Steven Spielberg foram alguns dos nomes que reinventaram Hollywood e que, devido ao facto dos estúdios não encontrarem outras soluções, tinham liberdade (e dinheiro) para realizarem o que desejavam. Como resultado, na década de 70, foram produzidos filmes como O Padrinho (I e II), O Exorcista, Os Incorruptíveis Contra a Droga, O Tubarão e A Guerra das Estrelas. Todos eles grandes sucessos de bilheteira, em particular os dois últimos, que marcam o ponto de viragem da industria e criaram um “monstro”: o blockbuster. Virado para um público jovem, repleto de acção e efeitos especiais, este tipo de filme transformou a economia de Hollywood e os estúdios cada vez mais dependem deles. Antes da moda do blockbuster “solidificar”, na década seguinte, os realizadores que os criaram tiveram a oportunidade de inovar, produzindo filmes como Nashville, Taxi Driver, Laranja Mecânica, O Caçador, entre muitos outros. Para além destes, Hollywood teve também algum sucesso com filmes mais tradicionais, como os filmes catástrofe Torre do Inferno, Aeroporto, Terramoto, entre outros, e até assistiu ao regresso dos musicais com A Febre de Sábado à Noite e Greese.

A transformação económica dos anos 70 não se ficou pelo nascimento do blockbuster e Hollywood viu o seu crescimento económico também assente em novas fontes de receitas: os multiplexes (complexos cinematográficos com várias salas de cinema), que permitiram exibir mais filmes e de uma forma mais lucrativa, e novos canais de televisão por cabo, como o Home Box Office (HBO), que permitiram aumentar a “vida” de um filme e retirar dai dividendos. Para além destas novas formas de exploração cinematográficas, Hollywood descobriu também a saturação publicitária, nomeadamente em televisão, que em conjunto com a exibição de um filme em larga escala, traduzia-se em grandes receitas.

Acompanhando Hollywood, o panorama cinematográfico de outros países mostrava-se, também, muito sombrio e apenas o aparecimento de novos realizadores disfarçava a crise. Em Inglaterra, a produção cinematográfica caiu vertiginosamente e apenas a utilização dos estúdios pelas produções norte-americanas conseguia manter a indústria do país à tona de água. Os anos 70 são também de crise para as cinematografias italianas e japonesas, enquanto que na Alemanha o novo cinema alemão, conhecido pela sua crítica aos valores burgueses, ganhava reconhecimento internacional, nomeadamente através dos filmes de Wim Wenders e Rainer Werner Fassbinder. Tal como na Alemanha, também na Polónia, Austrália e Brasil viram as suas cinematografias reconhecidas, através, uma vez mais, do trabalho de novos realizadores como o dos polacos Andrzej Wajda e Krzystof Kiesconski, do brasileiro Bruno Barreto e do australiano Bruce Beresford.

Diane Keaton em "Annie Hall"

Diane Keaton em "Annie Hall

Timeline, Década 1970-1979

1970

1971

1972

1973

1974

1975

1976

1977

1978

1979


(c) Rui Chambel 2021 | info@setimaarte.net | Sobre